O que sei sobre mim?

Cheguei em um momento que não tenho mais para onde ir. Não tenho amigos. Não tenho namorado. Não tenho dinheiro. Não tenho vida social. Não tenho emprego. Não me julgue por estar nesse estado. Faço o que posso para ter essas coisas, ainda assim parece que nada flui corretamente. Empresas me chamam pelo meu currículo incrível, mas não me contratam por eu ser feminino demais para trabalhar. Pessoas se afastam de mim por eu ser diferente. Será mesmo que o problema está realmente em mim ou nas pessoas? Não faço ideia. Só sei que isso me faz uma inútil.

Todos ao meu redor caçoam de mim, me odeiam por ser aquilo que sou. Não tenho coragem de sair de casa pois não tenho roupa, nem dinheiro, e não sei se conseguiria encarar a sociedade sem tropeçar no preconceito dela. Não tenho emocional para isso. Estou sozinha, sem rumo. Só queria andar num local vazio e escuro, olhar para as estrelas e tentar me enxergar daqui há alguns anos, como eu estaria e como me sentiria. Tudo o que tenho são paredes esverdeadas e esburacadas, uma estante vazia e um computador que deixo o dia inteiro ligado para rodar música no Spotify.

Sonho demais. Trabalho muito sonhando. Não consigo fazer acontecer. Parte de mim se concentra numa dimensão que não é o agora, a outra parte está aqui sofrendo e lutando contra a ansiedade, a depressão em primeiro grau e os transtornos de bipolaridade. Nunca pensei que um dia seria capaz de dizer isso, mas simplesmente não aguento mais a minha vida. Estou desesperadamente triste, solitária, inútil. Não tenho coragem de conversar com minha avó pois ela me julga, assim como minha mãe e os demais da minha família. Minha irmã é a única que me entende, mas ela tem os mesmos problemas que eu e não quero deixá-la mais debilitada.

Sinto várias coisas ao mesmo tempo, mesmo assim não sei o que sinto. Não consigo nomear meus sentimentos e isso me assusta. Não sei até onde chegarei vivendo desse jeito, mas juro que não estou curiosa para descobrir.

Sou gay. Odeio ser gay. Não me sinto confortável com o que carrego debaixo das minhas pernas. É como se fosse um câncer, um tumor enorme que me faz chorar por dentro todas as vezes que me olho no espelho. Sou do sexo masculino, mas nasci com 95% com hormônios femininos. Meus seios são um pouco grandes, meus quadris tem curvas, minha bunda é empinada, minha voz é fina, não tenho pomo-de-adão. Desejo mudar aquilo que sou, mas sinto que não estou pronta para isso. Porque tenho medo de mim e dos outros. E para piorar meus familiares me presenteiam com roupas masculinas, e minha auto-estima desaparece. Até onde consigo resistir?

Decidi ser acompanhante de homens solteiros e casados para tentar arranjar algum dinheiro. Comecei na semana passada. Criei vários perfis em aplicativos de pegação. As coisas estão fluindo naturalmente. Muitos interessados na minha cola. Acho que começo as atividades no comecinho do ano que vem.

A minha verdade é que não me conheço direito. Minto para mim mesma todos os dias. Disfarço minhas emoções, vivo uma vida chata que parece não ter volta. Não sei se estou pronta para o que está por vir, mas sei que estou pronta o bastante para ir embora de mim mesma e deste mundo assim que chegar a hora.

Preciso me salvar antes que seja tarde demais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s